Vulcão nas Filipinas pode entrar em erupção e país está em alerta máximo

O vulcão Mayon pode entrar em erupção a qualquer momento nas Filipinas, segundo especialistas. Durante o fim de semana, ele apresentou fumaças cinzentas saindo de sua cratera e milhares de pessoas tiveram que abandonar suas casas.

A situação teve o seu nível de alerta elevado para “crítico”, pela agência sismológica do país. O vulcão que está localizado na parte leste do arquipélago, a uma distância de 350 km de Manila, pode despejar rios de lava sobre tudo a sua volta e alterar a paisagem da região.

O vulcão nos últimos dias, apresentou uma erupção com nuvens de fumaça que geraram uma chuva de cinzas, fazendo com que a agência elevasse para o nível 2 no dia seguinte, e em seguida para o nível 3.

Outras erupções aconteceram depois da primeira no sábado, provocando o deslizamento de mais de 150 pedras e o alerta para que houvesse a retirada dos moradores em um raio de 6 km. Na segunda, a retirada aumentou para um raio de 7 km, o que significou  a desocupação de mais de 12.000 moradores.

Segundo Rachel Ann Miranda, porta-voz do Escritório de Defesa Civil da região, existem indicações de que o vulcão vai apresentar uma erupção mais forte, sendo preciso estar preparado para qualquer situação, já que todos os moradores saíram da área de risco.

Nesse caso a erupção pode acontecer a qualquer momento, ou ainda demorar semanas para que isso aconteça. Os moradores estão em locais temporários e escolas, mas o governo local estuda acomodar essas pessoas por um prazo ainda maior, de acordo com Miranda.

Ela falou que os animais também vão ser retirados das áreas que estão ameaçadas, evitando que moradores se arrisquem para salvar o gado da região.

De acordo com a agência sismológica, o Mayon apresenta magma na sua cratera e pode ocorrer uma erupção forte em apenas alguns dias ou semanas. O comunicado da agência também dizia, que existe um elemento brilhante que pode significar o aumento de um domo recente de lava, levando ela para a encosta do lado sul.

As autoridades da província reduziram os voos de aviões no espaço aéreo próximo do vulcão, como uma medida de segurança além da retirada das pessoas e dos animais.

Indícios podem mostrar se um aparelho celular sofreu invasão de hackers

Os aparelhos celulares são considerados imprescindíveis para a rotina da maior parte das pessoas do planeta. Isso ocorre pelo fato dos usuários utilizarem tais dispositivos para armazenamento de diversos tipos de dados, tais como aqueles provenientes de e-mails, contas bancárias, fotografias, dentre outros. Assim sendo, é praticamente impossível conceber uma vida urbana sem o uso dessa tecnologia.

Tamanha facilidade conferida aos donos de celulares é, no entanto, equivalente ao risco de se receber um ataque de hackers. Algumas alterações são características desse tipo de invasão considerada frequente. Conhecer os sinais de que o aparelho celular foi invadido é uma maneira de se saber se algo de fato está ocorrendo de modo diferente do habitual.

Um dos principais indícios de que um celular foi hackeado refere-se à lentidão que ele pode passar a apresentar. Dessa maneira, após se descartar outras hipóteses para o problema, é bastante provável que o dispositivo tenha sido afetado por algum tipo de programa malicioso. Até mesmo o momento de se conectar à internet pode se tornar lento em decorrência desse tipo de vírus.

Se o celular estiver mais aquecido que de costume, é outra forte pista de que um hacker esteja roubando os dados do dispositivo, relataram representantes da Intel. Os especialistas na área também explicaram que um programa invasor poderá estar atuando paralelamente com os aplicativos presentes no aparelho.

Muitas pessoas relatam que a bateria do celular costuma se esgotar muito rapidamente. Mesmo com a existência de diversas causas para o problema, é possível que as informações pessoais estejam em mãos perigosas. Tal situação costuma acontecer, sobretudo, quando a carga acaba de modo muito repentino.

Pode parecer estranho, mas alguns aparelhos passam a mandar e receber mensagens de modo automático, configurando um risco de que o dispositivo esteja sendo invadido. Esse comportamento anormal poderá ocorrer tanto por mensagens de texto, quanto por conversas através de aplicativos como o Whatsapp.

Programas instalados sem que o usuário tenha dado comando para tal representam uma situação suspeita, já que as instalações não deveriam acontecer sem o explícito consentimento dos portadores de celulares.

 

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/7-sinais-de-que-o-seu-celular-foi-hackeado-e-o-que-fazer,4077c398bb2885be3bd2f4a397599179x3w8qp9y.html

Busca por crédito em 2017 teve seu maior nível nos últimos seis anos

De acordo com os dados do “Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito”, o número de consumidores brasileiros que realizaram simulações de crédito nas instituições bancárias e financeiras teve um aumento de 4,9% em 2017, em uma comparação com os dados de 2016. O estudo sobre a demanda por crédito foi publicado no dia 17 de janeiro deste ano.

Segundo o levantamento do Indicador Serasa Experian, o aumento de 2017 foi considerado o maior dentre os últimos seis anos. Diante da série histórica, que foi iniciada no ano de 2008, o ano de 2017 entrou para o registro do quarto ano com o valor mais elevado da demanda por crédito.

Os economistas da Serasa, que são responsáveis pela realização do estudo, acreditam que uma série de fatores foram fundamentais para que essa demanda por crédito aumentasse em 2017, dentre os fatores estão: aumento da renda real dos consumidores, recuperação dos níveis de confiança dos brasileiros, queda das taxas de juros cobradas pelas instituições que oferecem linhas de crédito, e o aumento das ofertas em torno das linhas de crédito.

Segundo os economista da Serasa, esses fatores explicam de forma significativa o aumento da demanda por crédito no último ano, principalmente por parte da população de baixa renda do país.

Os dados do levantamento indicaram que a demanda por crédito teve um crescimento de 15,2% entre os consumidores que recebiam até R$ 500 mensais em 2017. Já entre os valores mensais de R$ 500 e R$ 1.000, a demanda por crédito teve um crescimento de 4,6% no ano passado. Outra faixa de renda com crescimento na demanda por crédito foi a de R$ 1.000 a R$ 2.000, que registrou um aumento de 3,2% em 2017, comparado aos dados de 2016.

Além disso, o Indicador Serasa Experian revelou que a demanda por crédito teve um aumento maior nas regiões brasileiras consideradas menos desenvolvidas. As regiões e os respectivos aumento na demanda por crédito foram as seguintes: Nordeste, com 8,1% de crescimento; Norte, com 6,9%; Sudeste, com 5%; Sul, com 3,4%; e Centro-Oeste, com 0,2% de crescimento em 2017.

Planejar e pesquisar ajuda a economizar na compra do material escolar

O ano mal começou e as contas já estão chegando na casa dos brasileiros, tem o IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano, e ainda o IPVA – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, que são entregues anualmente. Essas são as duas contas que mais pesam no início do ano, mas a lista de gastos para o mês de janeiro não termina por aí para quem tem filho em idade escolar.

No mês de dezembro de 2017, a Fundação Procon-SP realizou uma pesquisa na cidade de São Paulo e identificou que a variação de preço dos itens que compõem a lista de material escolar chegou a 260% quando o mesmo item foi pesquisado em mais de uma loja. O que significa que o preço tem oscilado bastante, mais do que o período de 2016/2017.

Sendo assim, os pais devem sempre optar por pesquisar bastante na hora de comprar o material escolar dos filhos. Contudo, esta não é a única dica para quem quer economizar e ao mesmo tempo agradar os filhos com itens que eles gostem. O advogado Igor Marchetti do Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, e o educador financeiro Reinaldo Domingos do canal do YouTube “Dinheiro à vista”, elaboraram algumas dicas para ajudar os pais nas escolhas certas para a compra do material escolar em 2018.

Segundo Reinaldo Domingos, o primeiro passo é ter um orçamento em mente. O educador financeiro explica que primeiro é preciso planejar, fazer contas e ver quanto de dinheiro os pais estão dispostos a gastar.  “Agora é um bom momento para fazer uma análise do seu próprio orçamento e ter uma primeira noção. É preciso saber o quanto custa antes de sair comprando”, disse Domingos.

Já o segundo conselho de Reinaldo Domingos é a pesquisa de preço. Segundo o educador financeiro, os pais não devem comprar nada antes de pesquisar em pelo menos três lojas. “É possível encontrar uma diferença de preço de 10% a 50%, se lembrarmos que a poupança paga 5% de rendimento ao ano, esta economia representa muito dinheiro”, destaca Domingos.

Na opinião do advogado Igor Marchetti, os pais também devem estar atentos aos itens da lista, pois as escolas não podem exigir a compra de uma determinada marca ou exigir que os pais comprem o material escolar na própria unidade de ensino.

Marchetti ainda explica que os itens não devem ser de uso coletivo da escola. “A lista de materiais não pode ter itens de uso coletivo como papel higiênico para o banheiro. Produto de higiene só pode ser pedido se vai ser utilizado pela criança. Produtos de limpeza não podem estar na lista porque são usados para a manutenção da escola”, disse Marchetti.

 

Maior prédio do planeta com jardim vertical fica na América do Sul

 

O edifício que possui o maior jardim vertical do planeta fica na Colômbia, em sua capital Bogotá. Ele foi construído no bairro de Rosales e é um edifício residencial, com cerca de 115 mil plantas e que ocupam uma área em torno de 3000 m² da fachada do prédio Santalaia. A construção foi realizada pela construtora Groncol, que contou com a colaboração do botânico e biólogo, Ignacio Solano.

O objetivo da construção de um prédio como esse, visa minimizar as consequências das edificações próximas e modificar os locais em volta, reduzindo os impactos gerados pelas altas taxas de poluição, que estão sendo encontradas em todas as grandes cidades do planeta, e Bogotá não é uma exceção.

Um edifício com um  jardim vertical  que apresenta esse tamanho, pode gerar oxigênio para abastecer mais de 3.000 pessoas anualmente, processar quase oitocentos quilos de metais pesados, deter mais de quatrocentos quilos de poeira e purificar cerca de duas mil toneladas de gases prejudiciais à saúde, segundo informações fornecidas pelos idealizadores do projeto.

A responsabilidade por determinar quais seriam as plantas mais acertadas para fazerem parte desse projeto, foi de Solano e dos seus assistentes. Eles analisaram plantas de florestas tropicais que eles visitaram localizadas no Pacífico, coletando amostras de cinco espécies diferenciadas. Os pesquisadores cultivaram todas essas amostras dentro de laboratórios, até chegar o momento em que elas foram transportadas para o prédio e adicionadas em toda a sua fachada, formando o maior jardim tropical do mundo.

Para que o jardim tropical seja preservado com todo o ecossistema funcionando e ficar sempre verdejante, o prédio apresenta um método de irrigação que ajusta o volume de água, seguindo a quantidade de umidade do ar e os índices de radiação solar, além de reaproveitar a água que foi utilizada nos apartamentos do prédio.

O plano levou cerca de dezesseis meses para ser finalizado e além da fachada, o projeto também apresenta um jardim na cobertura do prédio. Todas as famílias que moram no edifício podem aproveitar os benefícios trazidos pelo jardim vertical, e os moradores dos prédios em volta também ganharam uma melhor qualidade de vida e uma paisagem mais verde.

 

Esforço é essencial para se manter saudável na velhice

Todos querem manter a vitalidade e o bem-estar por toda a vida, no entanto, não é isso o que muitos idosos conseguem. Ter uma vida saudável na velhice é uma aspiração que muitas pessoas têm mas que nem sempre buscam.

A expectativa de vida aumentou e juntamente com os anos vêm as doenças crônicas e os problemas de saúde em geral. De acordo com o Instituto de Geografia e Estatística (IBGE), serão 19 milhões de pessoas que chegarão aos 80 anos ou mais até o ano de 2060. A expectativa de vida atualmente do brasileiro é de 75 anos. Segundo o IBGE, nas próximas décadas haverá um crescimento rápido maior que a média mundial do número de idosos.

No mundo todo o aumento será significativo, se considerado o ritmo atual, até o ano de 2050, o número de idosos com 65 anos ou mais crescerá três vezes totalizando 1,5 bilhão.

Algumas pessoas não se deixam vencer pela idade, Irene Obera, é uma dessas pessoas, com 84 anos ela não permite que a idade seja uma barreira para que ela tenha uma boa saúde. Em sua vida ela usa a filosofia de nunca desistir, nunca se dar por vencida porque quer ser uma vitoriosa. Com essa motivação ela é a mulher mais rápida no mundo de sua idade.

Para vencer, de acordo com Obera é preciso esforço, persistência e determinação. Juntamente com o seu treinador, ela treina de três a quatro vezes por semana em São Francisco, na Chatbot College.

Além dos treinamentos rotineiros, as sessões de tênis, musculação e boliche fazem parte de seus horários.

Não se deixar levar pelo envelhecimento é uma das motivações de Irene, que mantém uma postura positiva trabalhando como voluntária no bairro onde mora. Com uma vida social ativa ela sempre interage com as pessoas que conhece através dos seus esportes.

Um dos requisitos fundamentais para atravessar os anos bem é exercitar o corpo e a mente. É possível prevenir a demência e as dores crônicas com a contínua prática de atividades intelectuais como leitura e fazendo cursos, sem deixar de lado os exercícios físicos.

 

Felipe Montoro Jens informa sobre processo licitatório do projeto Piauí Conectado

A expectativa apresentada pela Superintendência de Parcerias e Concessões (Suparc) do Piauí em relação à licitação da Parceira Público-Privada (PPP) para a ampliação da rede de fibra ótica no Estado era de que o processo viesse a ser finalizado até o final do mês de novembro de 2017. O “Piauí Conectado”, como é chamado, teve sua primeira etapa da licitação concluída em 30 de outubro.

Felipe Montoro Jens, especialista em Projetos de Infraestrutura, informa, que, na data mencionada, a empresa Globaltask Tecnologia e Gestão juntamente com o consórcio Linkintel, formado pela Fortel Fortaleza Telecomunicações e a Intelit Processos Inteligentes, entregaram suas propostas no Centro Administrativo do auditório da Secretaria Estadual de Administração e Previdência (SeadPrev) localizado na Zona Norte de Teresina.

Para a Suparc, a contratação levará cerca de um mês para ser finalizada, contando com o apoio da Agência de Tecnologia da Informação do Piauí (ATI) para a análise detalhada da documentação entregue pelas empresas interessadas.

As propostas entregues serão julgadas de acordo com a modalidade de concorrência pública, combinando os critérios “menor valor de contraprestação mensal” e “melhor técnica”, onde ambos os tópicos terão o peso de 50% cada, como reporta Felipe Montoro Jens.

A Superintendência do Piauí divulgou uma nota dizendo que “Assim, será selecionada a proposta mais vantajosa para a celebração do contrato de Parceria Público-Privada, na modalidade administrativa, para a construção, operação e manutenção de infraestrutura de transporte de dados, voz e imagem, incluindo serviços associados para o Governo do Estado de Piauí”, relata o especialista em Projetos de Infraestrutura.

Seguindo as previsões do Governo do referido Estado, a PPP tem como objetivo contemplar 98 cidades com a instalação de 5.000km de fibra ótica nesta região localizada no nordeste do país. O projeto conta com a criação de 1.500 novos pontos de acesso com uma capacidade de 60 gigabytes. Felipe Montoro Jens salienta que, com esta iniciativa, é esperado que o Piauí deixe a penúltima posição ocupada na lista de classificação que mensura a inclusão social brasileira.

Conforme informado por Felipe Montoro Jens, a superintendente de Parcerias e Concessões, Viviane Moura, esclareceu que o objetivo principal desta parceria não é permitir que os habitantes da região tenham acesso grátis a internet, mas, sim, viabilizar uma otimização na prestação de serviços em órgão públicos através da rede. Viviane revelou que a população também poderá usufruir do acesso rápido e de alta qualidade oferecido pela rede. Basta que os interessados firmem contratos com provedores privados, “…mas isso não é o Governo quem vai pagar”, enfatiza a gestora.

A superintendente explicou ainda que a PPP contará com investimentos da concessionária e não do Governo Estadual. O capital empregado é privado e o foco estará no serviço prestado e não apenas na obra propriamente dita. A remuneração da empresa vencedora do processo licitatório será originada por meio da prestação de serviços, conforme as cláusulas estabelecidas no contrato, informa Felipe Montoro Jens.

 

Melhora da economia no país ainda não foi sentida entre as classes C e D

Após a deflação de 4,6% no preço dos alimentos entre os meses de janeiro a outubro do ano passado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas apurou um crescimento na economia no último trimestre. Porém, essa melhora ainda não foi sentida entre a classe C e D, de acordo com dados de uma pesquisa realizada pelo Instituto Plano CDE, especializado no comportamento do consumo das famílias dessa classe.

O diretor do Plano CDE, Mauricio de Almeida Prado, disse que após 3 anos de recessão intensa, os delicados sinais de ânimo recentes não chegaram ao radar da população. A avaliação das famílias em relação a sua situação financeira se manteve ruim da mesma maneira que era em 2015, quando a crise financeira estava no auge com uma retração do Produto Interno Bruto de 4%.

A preocupação é explicada devida a composição da renda das famílias, que costuma ser fortemente influenciada por componentes informais. Sendo assim, o consumidor da classe C não tem uma posição sólida. Se acaso uma pessoa da família perca o emprego, eles podem passar da classe C para a D ou E de um mês para outro.

Um forte item que pesa nos gastos da baixa renda, a cesta básica, não foi suficiente para que a deflação dos alimentos apresentasse melhora na falta de postos de empregos em periferias.

Apesar de 6% concordarem que os preços pararam de subir quando questionados, outros 68% discordam completamente. A maioria das pessoas disseram ter medo do desemprego e possuírem uma dificuldade em manter suas reservas de emergência para o pagamento de dívidas.

A maioria dos entrevistados pelo Plano CDE, disseram ter visto seus gastos aumentando, as dívidas se acumulando e as contas atrasando.

A pesquisa também mostrou que desde 2015, os processos de cortes de gastos andam lentos na população da classe C e D e só aumentaram. Os gastos com supérfluos fora de casa principalmente, estão sendo limitados. No ano passado, de acordo com o levantamento, os principais itens cortados foram as refeições fora de casa, lazer e serviços de estética. Alguns trocaram passeios no shopping pelo lazer dentro de casa.

 

Rótulos de cigarro tem atualização de advertências pela Vigilância Sanitária

As novas imagens nas embalagens de cigarros que são obrigatórias no país, foram atualizadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária e entrarão em vigor no dia 25 de maio do ano que vem.

Ao todo, são 9 imagens novas para advertir e que ocuparão toda a área de um lado da embalagem e uma nova resolução com modelos de advertência frontais e laterais com modelos gráficos novos na mensagem que proíbe a venda para menores de 18 anos de idade.

As imagens novas possuem uma comunicação mais direta com os consumidores do produto em relação aos riscos que ele causa a saúde e também serão utilizados um conjunto de cores que dão destaque e visibilidade na mensagem.

Entre as novas advertência padrão estão o câncer de boca, cegueira, fumante passivo, impotência sexual, trombose, gangrena, infarto, envelhecimento, morte e o parto prematuro.

A advertência frontal ficará em um fundo amarelo que chama mais a atenção ao invés da cor preta que vinha nos alertas anteriores. A advertência na parte lateral irá continuar com fundo preto e a mensagem em vermelho que diz que a venda é proibida para menores de 18 anos.

Essas novas normas são válidas para todos os produtos derivados ou não do tabaco, como charutos, fumos de cachimbo, cigarrilhas, essências de narguilé, rapé e outros. As embalagens que não se adequarem a nova resolução, até a data estipulada, não poderão ser produzidas, distribuídas ou expostas para venda e comércio, além das empresas registradas terem de recolher o produto.

A nova regra se descumprida acarretará em infração sanitária, e o fabricante e estabelecimento de venda dos produtos, sujeito a sanções que podem chegar a custar R$ 1,5 milhão. As autoridades sanitárias irão fazer as fiscalizações dos estados e municípios, órgãos com ligação às secretarias de saúde.

A Convenção-Quadro para o Controle do Tabaco prevê a atualização e uso de advertências sanitárias nas embalagens de produtos derivados do tabaco, que são adotadas por países que fazem parte da Organização Mundial de Saúde onde o Brasil é participante. O tabagismo no Brasil vem diminuindo ao longo dos anos graças às ações de controle do tabaco.

 

Experimento realizado por Jorge Moll revela que “fazer o bem faz bem” a quem o pratica

Todo mundo conhece a máxima “fazer o bem faz bem”. Contudo, a prática que pode ser executada de diversas maneiras – seja doando dinheiro a uma causa nobre, dedicando um pouco de tempo, carinho ou atenção a quem necessita ou mesmo realizando trabalho voluntário em uma comunidade carente – também pode trazer benefícios a quem a realiza e não apenas a quem recebe, segundo constatação científica. A observação foi executada por Jorge Moll Neto, presidente do Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino e neurocientista, em parceria com João Ascenso, psicólogo e aluno de doutorado do IDOR, e conseguiu demonstrar como se dá o processamento de valores, como o altruísmo, no cérebro humano.

O experimento realizado foi baseado no mapeamento cerebral a partir de ressonância magnética funcional. Os cientistas verificaram que os “centros de recompensa” (regiões do cérebro que são acionadas por atividades ou eventos que ocasionam prazer), também eram ativados quando os voluntários efetuavam doações para entidades que necessitam de caridade. Ficou claro, durante a experiência, que a atividade cerebral após a doação era tão intensa quanto a verificada no ato de recebimento.

Os pesquisadores também observaram que atitudes que envolvem o “fazer o bem”, ativam, seletivamente, duas áreas cerebrais (a região septal e o córtex subgenual) diretamente ligadas aos sentimentos de pertencimento e apego. Tais setores do cérebro humano estão diretamente envolvidas, por exemplo, com a dedicação e zelo de uma mãe para com o filho ou com a harmonia entre casais. Conforme esclarece o neurocientista Jorge Moll Neto: “Ou seja, quando você age em favor de uma causa ou princípio importante, você está ativando um sistema que foi desenvolvido ao longo de milhões de anos para promover os laços familiares e de amizade”.

Sendo uma entidade sem fins lucrativos e que objetiva promover o desenvolvimento tecnológico e científico da área da saúde, o IDOR sempre manteve o foco na responsabilidade social. O instituto ainda oportuniza várias iniciativas para os setores de pesquisa clínica e ensino. A estrutura básica da Coordenação de Pesquisas está envolvida diretamente com as áreas de neurociências, oncologia, pediatria, medicina interna e medicina intensiva.

Presentemente, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino oferta um programa próprio de Doutorado em Ciências Médicas, além de realizar parcerias com programas de pós-graduação (modalidade stricto sensu) com várias universidades públicas no estado do Rio de Janeiro. De forma paralela, o instituto presidido por Jorge Moll Neto detém acordos de cooperação para pesquisa com entidades nacionais e internacionais.

O IDOR funciona de forma autônoma e possui sede próprio desde 2010. Entretanto, sua idealização remete às origens de sua maior mantenedora, a Rede de Hospitais D’Or São Luiz, fundada em 1977 por Jorge Moll, empresário e médico cardiologista. Atualmente, sendo a principal operadora hospitalar do país, a Rede D’Or conta com mais de 35 hospitais (além de gerenciar o Hospital Israelita e da Criança); cerca de 38 mil funcionários e 87 mil médicos com credenciamento. Por ano, a rede criada por Jorge Moll promove o atendimento de emergência de 3,35 milhões de casos, 220 mil procedimentos cirúrgicos, 356 mil internações e mais de 24 mil partos.