Conheça o hobby curioso de Dona Aulistella, de 76 anos.

Uma Senhora de 76 anos de Bady Bassit, em São Paulo, tem um hobby muito curioso, que é de colecionar bonecas. E por incrível que pareça, tudo começou quando a aposentada Aulistella Camargo Himamura teve um trauma causado por sua madrasta. De acordo com o portal de notícias G1 de São José do Rio Preto e Araçatuba, eles foram até a casa de Dona Aulistella para ver de perto como é a coleção de mais de 400 bonecas da aposentada.

A colecionadora é aposentada e ainda trabalha como costureira, e é conhecida em sua cidade como a Doutora das bonecas, pois ela reforma as bonecas, lava, faz as roupinhas e restaura tudo o que for necessário para ver suas verdadeiras obras sempre limpas e bonitas. A Senhora consegue aumentar o orçamento do mês com seu minucioso perfeccionismo, e relata que chega a se sentar na máquina de costura às 9 da manhã e só às 16 horas, porque não fica satisfeita até ver a roupas das bonecas em perfeito estado. A sua paixão por bonecas sempre existiu, mas o seu amor despertou mesmo quando ainda era criança e sua irmã mais nova queria brincar com suas bonecas, e ela não deixou com medo que a caçula quebrasse. No entanto, assim que sua madrasta percebeu que a menina estava chorando, a mesma questionou Aulistella, e com raiva pegou todas as bonecas dela e jogou num fogão a lenha, e de lá para cá o trauma ficou acentuado na Senhorinha que hoje em dia enxerga nas bocas a sua maior companhia.

De acordo com a Senhora Aulistella, ela apenas comprou duas de todas as suas bonecas, o restante ela encontrou no lixo ou foram doadas por conhecidos, a qual todas foram reformadas e hoje em dia são verdadeiras obras primas para ela. E esse número seria bem maior caso ela não tivesse dado grande parte de suas bonecas, pois quase não tem espaço para guardar todas. E quem acha que Dona Aulistatella apenas tem bonecas, ela também tem bonecos, onde faz seus vestidinhos com perfeição para todas elas, e os menininhos sempre estão arrumados com seus chapeuzinhos.

 

Confira alguns erros que você precisa evitar na redação do ENEM

Uma das notícias que pode deixar um estudante ansioso é saber que falta menos de 4 meses para a prova do ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio). Entretanto, ainda dá tempo de revisar os estudos e garantir boas notas na avaliação.

A prova será aplicada dias 4 e 11 de novembro e terá 180 questões de múltipla escolha e uma redação. Além dos conteúdos, como Ciências Humanas e da Natureza e suas Tecnologias, Linguagens, Códigos e suas Tecnologias e Matemática e suas Tecnologias, o ENEM conta com a redação, a área que pode garantir uma boa média final.

Para isso, separamos neste artigo alguns erros que você precisa evitar na hora de desenvolver o seu texto e que vão além da gramática e do tipo de dissertação.

Linguagem rebuscada

  • Linguagem rebuscada A redação precisa ser clara, objetiva e fluente, portanto, é sempre bom aderir a uma linguagem formal, mas sem rebuscá-la. Isto é, usar palavras complicadas, de difícil compreensão.

Extremismo

  • Extremismo É natural expor nossos pontos de vista sobre qualquer assunto, mas em uma redação é importante não usar radicalismo, ou seja, fazer uso de expressões, como por exemplo “nunca” ou “sempre”.

Linguagem informal

  • Linguagem informal Não usar linguagem rebuscada não significa ser informal. É bom evitar gírias e expressões coloquiais. Prefira seguir sempre a norma culta da língua.

Erros gramaticais

  • Erros gramaticais Ainda que a redação esteja com uma linguagem clara, sem extremismos e gírias, a gramática precisa estar correta. Seguir as regras de português é o básico para redigir um texto.

Entre todos esses erros citados, os mais graves que podem desclassificar sua redação no ENEM são: fugir do tema e do tipo de dissertação, desrespeitar os direitos humanos (racismo, homofobia e xenofobia), deboches, desenhos, escrever menos de 8 linhas e, claro, deixar a folha em branco.

Fauna africana está ameaçada pelos conflitos armados

Os grandes mamíferos africanos estão ameaçados de extinção pela caça ilegal, pela seca, pela destruição de áreas ambientais e pela corrupção. Mas existe um elemento de risco que geralmente não é levado em conta, mas que pode representar uma grande ameaça para os grandes animais africanos, que são os conflitos armados existentes no continente.

Segundo um estudo publicado na revista Nature, feito por dois especialistas americanos em ecologia da Universidade de Princeton, eles estudaram cerca de quinhentos relatórios de várias fontes, como estudos de ONGs, artigos científicos e documentos governamentais, tentando encontrar informações sobre a proteção de animais do continente africano de 1946, até a atualidade. Preparando um gráfico com esses dados e observando o avanço histórico, lado a lado com os conflitos observados no continente, eles encontraram duas curvas que se cruzaram sempre que os problemas políticos em território africano resultaram em conflitos armados, afetando a fauna na mesma intensidade.

Foram estudados também mais de 250 grupos de 36 espécies de animais herbívoros, que foram encontrados em 126 locais preservados. Foram observadas reduções na quantidade de animais existentes na região, enquanto estavam ocorrendo conflitos e mesmo em áreas pouco atingidas, como uma guerra a cada vinte anos ou apenas um conflito nos últimos cinquenta anos.

Apesar de visualizar animais encurralados no meio dos conflitos, isso geralmente acontece muito poucas vezes. Os conflitos podem afetar os animais de grande porte de várias maneiras, como servir de alimento para os soldados ou algumas partes dos animais, podem ser vendidas por altos valores como por exemplo os chifres de rinocerontes, usados para custear a ação das milícias.

Os pesquisadores acreditavam que locais com conflitos e que levam os seres humanos a fugir por causa deles, pudessem se tornar locais de preservação da natureza e que esse local pudesse aumentar cada vez mais as suas populações de animais. Um exemplo é a área que existe na fronteira  entre as duas Coreias,  onde o local possui cerca de 250 quilômetros e somente militares podem passar por essa região. Atualmente ela abriga uma área preservada, onde existem diversas espécies raras vivendo em plena tranquilidade.

Apesar dos números, as notícias não trazem somente dados negativos. Foi observado que as guerras estão ligadas às reduções verificadas das populações de animais selvagens, mas que na maior parte dos casos ela não está levando à extinção absoluta dos animais, onde sobrevivem pequenos grupos que vão garantir a continuação da espécie.

Como manter os lábios hidratados no inverno?

Não são novas notícias de que com a chegada do outono, a pele e o corpo precisam de hidratação. Costumamos hidratar os cabelos, o corpo e o rosto, mas muitas vezes nos esquecemos dos lábios, esta parte do corpo tão importante e que está exposta constantemente ao mau tempo e a poluição.

Mesmo que tenhamos a tendência de aplicar manteiga de cacau ou vaselina para uma hidratação profunda, não se tem estes produtos sempre a mão, por isso, é sempre bom aprender receitas caseiras para manter os lábios saudáveis e bonitos, economizar dinheiro e ainda conhecer mais sobre os poderes nutritivos de vários alimentos.

O azeite de oliva possui propriedades regeneradoras e esta presente em inúmeros cremes, xampus e hidratantes ; assim, o ingrediente está presente também na composição de hidratantes voltados para os lábios. Assim, aplicar gotas de azeite sobre áreas prejudicadas ou ressecadas e em pouco tempo, você terá seus lábios hidratados.

Todos sabem que uma boa escovação de dentes é essencial para a saúde bucal, porém, poucos sabem que aplicar a pasta de dente nos lábios e deixa-la por alguns minutos, ajuda na hidratação de lábios ressecados e a eliminar as zonas mortas dos lábios.

Um outro ingrediente que contribui com lábios mais saudáveis é o mel, que além de ser um alimento nutritivo, auxilia na regeneração e na hidratação dos lábios. As propriedades nutritivas do mel agem de uma maneira ainda mais eficaz durante as horas de sono, fazendo com que a boca se regenere de uma maneira natural e continua (caso a hidratação seja constante).

Além destes ingredientes, as propriedades do gel ou a poupa de aloe vera são muito conhecidas e são excelentes para o uso na pele e nos lábios. O aloe vera também pode ser utilizado como um esfoliante natural, eliminando as ‘sobras’ de pele no rosto e nos lábios.

E por fim, o famoso açúcar, utilizado em quase todas as esfoliações caseiras. Fazer uma pasta de açúcar com mel, açúcar com azeite ou mesmo água são muito eficazes para a hidratação dos lábios. Aplique a pasta sobre os lábios, massageie e depois tire com água corrente. Intercalando estes tratamentos e esfoliações, é possível manter uma boca hidratada e bonita, e uma boa saúde facial no inverno.

Foram descobertas na Guatemala sessenta mil edificações maias

Um equipamento de última geração, identificou cerca de sessenta mil edificações maias localizadas na região norte da Guatemala. O escâner conseguiu detectar essas estruturas que estão sob o solo e matas fechadas, segundo informações dos pesquisadores e de autoridades do país.

As notícias sobre as descobertas vêm ocorrendo nos últimos dois anos e os cientistas contaram com equipamentos de tecnologia Light Detection And Ranging (LiDAR), que através de sensores instalados em uma aeronave, conseguiram averiguar cerca de 2,1 mil km² de um estado chamado El Petén, localizado em uma região que faz fronteira com Belize e México, segundo o pesquisador americano Marcello Canuto, um dos responsáveis pela pesquisa em uma coletiva de imprensa.

Entre as estruturas que foram descobertas estão centros urbanos, com casas, terraços, calçadas, núcleos de eventos, fortificações e canais de irrigação, entre várias outras edificações, segundo o arqueólogo Canuto, da Universidade de Tulane, localizada em território norte-americano.

As medidas e as composições dos mapas foram realizadas com base em nove sítios arqueológicos e regiões próximas, que foram analisados pela PACUNAM (Fundação Patrimônio Cultural e Natural Maya), uma organização que possui financiamento da iniciativa privada guatemalense e de doadores de outros países.

A pesquisa também revelou onde está localizada uma pirâmide com 30 metros de altura, que tinha sido apontada como uma serra e que fica em Tikal, considerado o mais importante sítio arqueológico da Guatemala. Foi encontrado nessa região um sistema de fosso e uma muralha com cerca de quatorze quilômetros de extensão.

De acordo com Canuto, os equipamentos de última geração que foram usados, permitem visualizar o que existe por baixo de toda a vegetação, sem precisar cortar as árvores e que promove uma revolução, na descoberta dos sítios arqueológicos do povo maia.

Esse sistema LiDAR conseguiu identificar em um período muito pequeno, diversas descobertas que teriam levado muitas décadas para serem encontradas, se fossem seguidos os métodos usados na arqueologia convencional.

A pesquisa revelou que essas regiões baixas que foram habitadas pelo povo maia, devem ter abrigado uma população com cerca de dez milhões de pessoas. Essas estimativas são muito maiores do que as que foram feitas por estudos anteriores.

Segundo o diretor Jorge Mario Chajón, do Instituto Guatemalteco de Turismo, as descobertas mostram que a Guatemala é o centro do mundo maia.

A  rica cultura maia  se espalhou por diversas regiões, que hoje englobam os territórios onde estão a Guatemala, Belize, México, Honduras e El Salvador.

Considerações legais nos divórcios litigiosos que envolvem animais de estimação

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e a Associação Brasileira da Industria

de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) possuímos a segunda maior população de pets do mundo. Dados da Abinpet, demonstra o tamanho desse mercado. Essa enorme dimensão do setor, além de aquecer a economia, tem provocado movimentação no setor jurídico nacional, o que gera uma grande demanda para magistrados, advogados, juristas e acadêmicos no que tange aos divórcios litigiosos de casais que possuem mascotes e reclamam da guarda, pois há uma relação de afetividade com animal entre os litigantes.

O desafio jurídico posto tende a ser amplificado porque não existe uma legislação especifica para tratar da guarda (compartilhada ou não e/ou visitas) dos animais, no divorcio ou na dissolução de união estável.

O Código Civil, no seu artigo 82, considera os animais um bem móvel semovente. Em contrapartida, há um entendimento que se pode aplicar o art. 225, §1°, inciso VII, da Constituição Federal, que veda expor animais a crueldade. Tal situação pode ser encaixada como ato cruel, pois os animais são comprovadamente dotados de sentimentos, se comunicam e alguns podem ter consciência da sua existência.

Partindo da tese que é um bem, basta aplicar o art. 82 do Código Civil. O magistrado, para saber quem é o dono do animal doméstico, pode analisar o pedigree, cartão de vacinação ou qualquer documento que comprove a propriedade, no entanto, não é plausível que se resolva tema tão delicado e angustiante com tamanha objetividade, visto que, juridicamente, há outros fatores. Temos que considerar que o vínculo dos indivíduos vai além de uma relação com um objeto. Podemos notar tamanha complexidade do tema quando o IBGE relata que o número de cães e gatos nos lares brasileiros é maior que o de crianças.

O entendimento mais razoável, todas as vezes que tal pleito cheque as cortes, e como já sinalizou o Superior Tribunal de Justiça (STJ), apesar de não unânime, é que se aplique, por analogia, a preservação e as garantia dos direitos da pessoa humana, pois trata-se aqui de seres sencientes, somado ao art. 225 da CF.

Vulcão nas Filipinas pode entrar em erupção e país está em alerta máximo

O vulcão Mayon pode entrar em erupção a qualquer momento nas Filipinas, segundo especialistas. Durante o fim de semana, ele apresentou fumaças cinzentas saindo de sua cratera e milhares de pessoas tiveram que abandonar suas casas.

A situação teve o seu nível de alerta elevado para “crítico”, pela agência sismológica do país. O vulcão que está localizado na parte leste do arquipélago, a uma distância de 350 km de Manila, pode despejar rios de lava sobre tudo a sua volta e alterar a paisagem da região.

O vulcão nos últimos dias, apresentou uma erupção com nuvens de fumaça que geraram uma chuva de cinzas, fazendo com que a agência elevasse para o nível 2 no dia seguinte, e em seguida para o nível 3.

Outras erupções aconteceram depois da primeira no sábado, provocando o deslizamento de mais de 150 pedras e o alerta para que houvesse a retirada dos moradores em um raio de 6 km. Na segunda, a retirada aumentou para um raio de 7 km, o que significou  a desocupação de mais de 12.000 moradores.

Segundo Rachel Ann Miranda, porta-voz do Escritório de Defesa Civil da região, existem indicações de que o vulcão vai apresentar uma erupção mais forte, sendo preciso estar preparado para qualquer situação, já que todos os moradores saíram da área de risco.

Nesse caso a erupção pode acontecer a qualquer momento, ou ainda demorar semanas para que isso aconteça. Os moradores estão em locais temporários e escolas, mas o governo local estuda acomodar essas pessoas por um prazo ainda maior, de acordo com Miranda.

Ela falou que os animais também vão ser retirados das áreas que estão ameaçadas, evitando que moradores se arrisquem para salvar o gado da região.

De acordo com a agência sismológica, o Mayon apresenta magma na sua cratera e pode ocorrer uma erupção forte em apenas alguns dias ou semanas. O comunicado da agência também dizia, que existe um elemento brilhante que pode significar o aumento de um domo recente de lava, levando ela para a encosta do lado sul.

As autoridades da província reduziram os voos de aviões no espaço aéreo próximo do vulcão, como uma medida de segurança além da retirada das pessoas e dos animais.

Indícios podem mostrar se um aparelho celular sofreu invasão de hackers

Os aparelhos celulares são considerados imprescindíveis para a rotina da maior parte das pessoas do planeta. Isso ocorre pelo fato dos usuários utilizarem tais dispositivos para armazenamento de diversos tipos de dados, tais como aqueles provenientes de e-mails, contas bancárias, fotografias, dentre outros. Assim sendo, é praticamente impossível conceber uma vida urbana sem o uso dessa tecnologia.

Tamanha facilidade conferida aos donos de celulares é, no entanto, equivalente ao risco de se receber um ataque de hackers. Algumas alterações são características desse tipo de invasão considerada frequente. Conhecer os sinais de que o aparelho celular foi invadido é uma maneira de se saber se algo de fato está ocorrendo de modo diferente do habitual.

Um dos principais indícios de que um celular foi hackeado refere-se à lentidão que ele pode passar a apresentar. Dessa maneira, após se descartar outras hipóteses para o problema, é bastante provável que o dispositivo tenha sido afetado por algum tipo de programa malicioso. Até mesmo o momento de se conectar à internet pode se tornar lento em decorrência desse tipo de vírus.

Se o celular estiver mais aquecido que de costume, é outra forte pista de que um hacker esteja roubando os dados do dispositivo, relataram representantes da Intel. Os especialistas na área também explicaram que um programa invasor poderá estar atuando paralelamente com os aplicativos presentes no aparelho.

Muitas pessoas relatam que a bateria do celular costuma se esgotar muito rapidamente. Mesmo com a existência de diversas causas para o problema, é possível que as informações pessoais estejam em mãos perigosas. Tal situação costuma acontecer, sobretudo, quando a carga acaba de modo muito repentino.

Pode parecer estranho, mas alguns aparelhos passam a mandar e receber mensagens de modo automático, configurando um risco de que o dispositivo esteja sendo invadido. Esse comportamento anormal poderá ocorrer tanto por mensagens de texto, quanto por conversas através de aplicativos como o Whatsapp.

Programas instalados sem que o usuário tenha dado comando para tal representam uma situação suspeita, já que as instalações não deveriam acontecer sem o explícito consentimento dos portadores de celulares.

 

Saiba mais:

https://www.terra.com.br/noticias/mundo/7-sinais-de-que-o-seu-celular-foi-hackeado-e-o-que-fazer,4077c398bb2885be3bd2f4a397599179x3w8qp9y.html

Busca por crédito em 2017 teve seu maior nível nos últimos seis anos

De acordo com os dados do “Indicador Serasa Experian da Demanda do Consumidor por Crédito”, o número de consumidores brasileiros que realizaram simulações de crédito nas instituições bancárias e financeiras teve um aumento de 4,9% em 2017, em uma comparação com os dados de 2016. O estudo sobre a demanda por crédito foi publicado no dia 17 de janeiro deste ano.

Segundo o levantamento do Indicador Serasa Experian, o aumento de 2017 foi considerado o maior dentre os últimos seis anos. Diante da série histórica, que foi iniciada no ano de 2008, o ano de 2017 entrou para o registro do quarto ano com o valor mais elevado da demanda por crédito.

Os economistas da Serasa, que são responsáveis pela realização do estudo, acreditam que uma série de fatores foram fundamentais para que essa demanda por crédito aumentasse em 2017, dentre os fatores estão: aumento da renda real dos consumidores, recuperação dos níveis de confiança dos brasileiros, queda das taxas de juros cobradas pelas instituições que oferecem linhas de crédito, e o aumento das ofertas em torno das linhas de crédito.

Segundo os economista da Serasa, esses fatores explicam de forma significativa o aumento da demanda por crédito no último ano, principalmente por parte da população de baixa renda do país.

Os dados do levantamento indicaram que a demanda por crédito teve um crescimento de 15,2% entre os consumidores que recebiam até R$ 500 mensais em 2017. Já entre os valores mensais de R$ 500 e R$ 1.000, a demanda por crédito teve um crescimento de 4,6% no ano passado. Outra faixa de renda com crescimento na demanda por crédito foi a de R$ 1.000 a R$ 2.000, que registrou um aumento de 3,2% em 2017, comparado aos dados de 2016.

Além disso, o Indicador Serasa Experian revelou que a demanda por crédito teve um aumento maior nas regiões brasileiras consideradas menos desenvolvidas. As regiões e os respectivos aumento na demanda por crédito foram as seguintes: Nordeste, com 8,1% de crescimento; Norte, com 6,9%; Sudeste, com 5%; Sul, com 3,4%; e Centro-Oeste, com 0,2% de crescimento em 2017.

Planejar e pesquisar ajuda a economizar na compra do material escolar

O ano mal começou e as contas já estão chegando na casa dos brasileiros, tem o IPTU – Imposto Predial e Territorial Urbano, e ainda o IPVA – Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores, que são entregues anualmente. Essas são as duas contas que mais pesam no início do ano, mas a lista de gastos para o mês de janeiro não termina por aí para quem tem filho em idade escolar.

No mês de dezembro de 2017, a Fundação Procon-SP realizou uma pesquisa na cidade de São Paulo e identificou que a variação de preço dos itens que compõem a lista de material escolar chegou a 260% quando o mesmo item foi pesquisado em mais de uma loja. O que significa que o preço tem oscilado bastante, mais do que o período de 2016/2017.

Sendo assim, os pais devem sempre optar por pesquisar bastante na hora de comprar o material escolar dos filhos. Contudo, esta não é a única dica para quem quer economizar e ao mesmo tempo agradar os filhos com itens que eles gostem. O advogado Igor Marchetti do Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, e o educador financeiro Reinaldo Domingos do canal do YouTube “Dinheiro à vista”, elaboraram algumas dicas para ajudar os pais nas escolhas certas para a compra do material escolar em 2018.

Segundo Reinaldo Domingos, o primeiro passo é ter um orçamento em mente. O educador financeiro explica que primeiro é preciso planejar, fazer contas e ver quanto de dinheiro os pais estão dispostos a gastar.  “Agora é um bom momento para fazer uma análise do seu próprio orçamento e ter uma primeira noção. É preciso saber o quanto custa antes de sair comprando”, disse Domingos.

Já o segundo conselho de Reinaldo Domingos é a pesquisa de preço. Segundo o educador financeiro, os pais não devem comprar nada antes de pesquisar em pelo menos três lojas. “É possível encontrar uma diferença de preço de 10% a 50%, se lembrarmos que a poupança paga 5% de rendimento ao ano, esta economia representa muito dinheiro”, destaca Domingos.

Na opinião do advogado Igor Marchetti, os pais também devem estar atentos aos itens da lista, pois as escolas não podem exigir a compra de uma determinada marca ou exigir que os pais comprem o material escolar na própria unidade de ensino.

Marchetti ainda explica que os itens não devem ser de uso coletivo da escola. “A lista de materiais não pode ter itens de uso coletivo como papel higiênico para o banheiro. Produto de higiene só pode ser pedido se vai ser utilizado pela criança. Produtos de limpeza não podem estar na lista porque são usados para a manutenção da escola”, disse Marchetti.