Alterações na gravidade de Vênus intrigam os cientistas

Astrônomos japoneses observaram uma formação gravitacional atípica originada do planeta Vênus. Ao adentrar a órbita do planeta em 2015, a sonda denominada Akatsuki registrou o fenômeno por muitos dias em sua atmosfera alta. O artigo foi divulgado pela revista Nature Geosciencie.

O fenômeno foi observado em forma de grandes arcos na atmosfera de Vênus, com um dimensionamento de 10 mil km, a estrutura toda brilhante permaneceu de forma estável por vários dias na atmosfera do planeta.

Definitivamente o que tem surpreendido os astrônomos e os cientistas nesse fenômeno é o fato de que as nuvens se movimentam em Vênus de um modo geral a uma velocidade de 360 km/h, muito mais rápido do que a própria rotação do planeta, e a formação do arco luminoso se manteve estável por cima delas em uma região conhecida como Aphrodite Terra.

Também foi descoberto que a ondulação em forma de arcos registrou temperaturas muito mais elevadas do que as que circundam o planeta em toda sua atmosfera.

A sonda lançada no início de 2010 alcançou a órbita de Vênus no final de 2015.

Os cientistas definem o fenômeno como um resultado da onda de gravidade formada pela atmosfera em baixa altitude do planeta que atravessa a atmosfera mais elevada se espalhando através de grandes formações montanhosas. As ondas de gravidade acontecem devido a um desequilíbrio químico provocado em líquidos, gases e plasmas que fazem parte do planeta.

O estudo revela evidências de ondas de gravidade estacionárias e aponta para o fato de que são ondas em escala muito maior do que já registrado em todo o sistema solar.

Segundo o especialista Colin Wilson, da Universidade de Oxford, Inglaterra, “O interessante é observar que o fenômeno se estende de um polo ao outro”, explica Colin à BBC, cientista que não teve participação na pesquisa. “O fenômeno não ocorre por exemplo em Júpiter, pois sua rotação é muito mais rápida e toda sua atmosfera é subdivida em cinturões. A lenta rotação do planeta Vênus da ênfase a essa formação distinta”, reforça Colin.

Os cientistas não podem afirmar com certeza que a onda de gravidade que acontece em Vênus se movimenta para sua atmosfera mais alta através de sua topografia, o que realmente se sabe é que esse mecanismo é muito mais complexo do que se imagina.

O cientista Colin Wilson teve participação na Vênus Express, uma missão da Agência Espacial Europeia que próximo ao fim da missão foram detectados sinais de atividade vulcânica em Vênus. “Só registramos isso em uma região de Vênus. No caso de Akatsuki, ela já está lá por alguns anos e esta bem equipada com câmeras que podem detectar atividades vulcânicas” conclui Colin.

Conheça mais sobre o sistema solar.

 

venus

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *