Viajar com animais de estimação: providências simples evitam dor de cabeça

cachorro-raca-viajar-com-seu-pet2

Cães e gatos estão cada vez mais presentes nos lares das famílias brasileiras. Pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE informa que os cães estão em 44,3% das casas e apartamentos, enquanto que os felinos são preferidos em outros 17,7% dos domicílios. No total, à época de realização da pesquisa, havia no país cerca de 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos de estimação. A novidade, segundo reportagem do jornal Estadão, é que nossos amigos de quatro patas passaram a ser companhias constantes também nas viagens de férias. Embora os dados mais precisos sobre essa prática venham de países da Europa, a realidade já pode ser sentida entre nós, tanto em viagens domésticas, dentro do Brasil, quanto em deslocamentos para o exterior. Quando a movimentação se dá dentro dos limites das fronteiras nacionais, a logística de trânsito dos animais não costuma envolver grandes problemas. Por outro lado, as questões podem demandar um pouco mais de tempo, atenção e paciência quando o destino da viagem é outro país. Nesses casos, além de ter certeza de que a experiência de ficar fora de casa por um tempo será boa tanto para os humanos quanto para a bicharada, será necessário o cumprimento de algumas exigências normativas balizadas por acordos internacionais dos quais o Brasil é signatário. Como regra geral, cães e gatos, sempre que forem circular fora de seu país de origem, devem estar acompanhados de documentos que apresentem seu histórico sanitário e que atestem suas boas condições de saúde. No Brasil, as informações necessárias são compiladas no Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos e no Certificado Veterinário Internacional, dois documentos emitidos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, mais especificamente por meio de suas Unidades do Sistema de Vigilância Sanitária. Essas repartições públicas especializadas funcionam nos aeroportos, portos e postos de fronteira, nas aduanas especiais e nas Superintendências Federais de Agricultura que existem em todas as Unidades da Federação. Na maior parte dos casos, o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos e o Certificado Veterinário Internacional serão suficientes para garantir a livre circulação dos animais de estimação. Entretanto, cabe ao dono certificar-se, junto ao consulado ou à embaixada do país de destino, de que não há exigências adicionais a serem atendidas. No final das contas, o trabalho extra será recompensado pela garantia de que as férias serão curtidas ao máximo, com a companhia escolhida, sem entraves de qualquer natureza. Para mais informações, vale a pena visitar a página eletrônica do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que tem uma área específica dedicada aos animais de estimação, com acesso a perguntas e respostas que esclarecem boa parte das dúvidas a respeito de viagens com os pets.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *