Centro de Controle e Prevenção de Doenças alerta para surto de parasitas em piscinas nos Estados Unidos

Pessoas que nadam muito logo após a recuperação da diarreia – ou mesmo enquanto ainda estão doentes – estão espalhando um parasita transmitido por resíduos em piscinas públicas e parques aquáticos, disseram especialistas federais de saúde nos Estados Unidos. Os surtos de criptosporídeos dobraram no país entre 2014 e 2016, e três surtos no verão passado demonstram o problema, disseram os Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC).

“O parasita pode se espalhar quando as pessoas engolirem algo que tenha entrado em contato com as fezes de uma pessoa doente, como água da piscina contaminada com diarreia”, disse o CDC em um comunicado. “Crypto é a causa mais comum de doenças diarreicas e surtos ligados a piscinas ou playgrounds, porque ele não é facilmente morto pelo cloro e pode sobreviver até 10 dias em água tratada adequadamente”, acrescentou o CDC. “Engolir apenas um bocado de água contaminada com Crypto pode tornar as pessoas saudáveis doente por até três semanas com diarreia aquosa, cólicas no estômago, náuseas ou vômitos, e pode levar à desidratação”.

Mesmo com a cloração adequada das piscinas, o parasita continua vivo, relatou o CDC. É preciso uma dose especialmente grande de cloro para eliminá-lo. A especialista em segurança de piscinas do CDC Michele Hlavsa e seus colegas reuniram informações sobre todos os relatórios recentes de surtos de criptosporídeos. Eles disseram que pelo menos 32 surtos foram relatados no ano passado, em comparação com 16 surtos em 2014 e 13 no ano anterior.

A equipe de Hlavsa relatou três surtos que deixaram as pessoas doentes em julho e agosto do ano passado no Arizona, Alabama e Ohio. No Arizona, 36 dos 51 jogadores de uma liga e suas famílias ficaram doentes em uma piscina da cidade de Phoenix, e o município relatou 352 casos confirmados de criptosporidiose.

A equipe relatou que pelo menos 17% das pessoas que estavam doentes admitiram que tinham nadado enquanto ainda tinham sintomas de diarreia. Em Ohio, o número médio de casos foi pouco menos de 400 por muitos anos, mas aumentou para 1.940 casos em 2016. Mais de 40% dos casos poderiam ser rastreados para piscinas ou parques aquáticos. E no Alabama, 23 pessoas foram confirmadas com infecções cryptosporidium e até 35 ficaram doentes.

“Jovens nadadores com menos de 5 anos são mais propensos a contaminar a água, porque eles são mais propensos a ter higiene inadequada, portanto, os esforços de prevenção devem centrar-se sobre os seus pais”, escreveu a equipe CDC em seu relatório. “Como a investigação do surto Arizona demonstrou, os pacientes continuam a nadar enquanto sintomático”, acrescentaram.

Todos os nadadores devem tomar banho e usar sabonete antes de entrar em qualquer piscina, observa o CDC. O papel higiênico sozinho não remove os germes que causam doenças. O CDC reforça os cuidados de saúde para que os casos possam diminuir nesse ano. “Os provedores de cuidados de saúde também devem instruir os pacientes com criptosporidiose a não voltarem para a água até que tenham estado livres de diarreia por duas semanas”, acrescentou a equipe.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *