Aumentos nos valores de viagem não acompanham baixas em países como o Brasil

Viajar por mais que pareça prazeroso também exige um esforço. Para quem tem uma conta bancária privilegiada o esforço não é tão grande, mas para a maioria um planejamento financeiro juntamente com as promoções é indispensável para garantir bons preços e diversão.

Para o próximo ano pode ficar mais difícil encontrar aquele preço irresistível que faz uma viagem se tornar ao mesmo tempo acessível e confortável. Em 2018, as ofertas podem não ser tão atrativas quantos os almejados pontos turísticos.

De acordo com o 2018 Global Travel Forecast (Prognóstico Global de Viagem em 2018, numa tradução livre), os valores das passagens aéreas terão uma alta de 3,5% no mundo, não tem como escapar, enquanto isso o preço da hotelaria não vai aliviar, será aproximadamente 3,7% mais caro se hospedar.

Os dados são provenientes de um trabalho colaborativo entre a GBTA Foundation (associação de profissionais do ramo de viagens e eventos de empresas) e a empresa de administração global de viagens Carlson Wagonlit. Essa é a quarta edição da reunião dessas instituições.

A previsão é que aconteça um aumento esperado nos valores para a locomoção em terra por todo o mundo de 0,6%, considerando os meios de transporte público, aluguel de carro e aplicações que oferecem um compartilhamento particular de veículo.

Apesar da expectativa de aumento nos preços de maneira global, os viajantes que curtem lugares para economizar não vão perder a oportunidade de aproveitar os preços que prometem uma queda em certas regiões.

O Brasil é um país que apresentará as menores taxas de aumento assim como alguns países vizinhos. As tarifas aéreas terão 0,3% de aumento e -1,2% para o ramo de hospedagem no país. Os países de América do Norte chegam em segundo lugar na classificação de menor aumento, com 2,3% nas passagens de avião.

O resultado dos preços tem uma influência do Brasil, com uma redução para as passagens e diárias em 1,9% e 8,7%, respectivamente. Argentina, México e Venezuela não ficam de fora do baixo aumento, isso quando não apresentam queda nos preços em ambos os setores. Seria uma boa chance de viajar mais pelo país, ou então não perder as baixas dos voos e hotéis na Argentina e México.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *