Fauna africana está ameaçada pelos conflitos armados

Os grandes mamíferos africanos estão ameaçados de extinção pela caça ilegal, pela seca, pela destruição de áreas ambientais e pela corrupção. Mas existe um elemento de risco que geralmente não é levado em conta, mas que pode representar uma grande ameaça para os grandes animais africanos, que são os conflitos armados existentes no continente.

Segundo um estudo publicado na revista Nature, feito por dois especialistas americanos em ecologia da Universidade de Princeton, eles estudaram cerca de quinhentos relatórios de várias fontes, como estudos de ONGs, artigos científicos e documentos governamentais, tentando encontrar informações sobre a proteção de animais do continente africano de 1946, até a atualidade. Preparando um gráfico com esses dados e observando o avanço histórico, lado a lado com os conflitos observados no continente, eles encontraram duas curvas que se cruzaram sempre que os problemas políticos em território africano resultaram em conflitos armados, afetando a fauna na mesma intensidade.

Foram estudados também mais de 250 grupos de 36 espécies de animais herbívoros, que foram encontrados em 126 locais preservados. Foram observadas reduções na quantidade de animais existentes na região, enquanto estavam ocorrendo conflitos e mesmo em áreas pouco atingidas, como uma guerra a cada vinte anos ou apenas um conflito nos últimos cinquenta anos.

Apesar de visualizar animais encurralados no meio dos conflitos, isso geralmente acontece muito poucas vezes. Os conflitos podem afetar os animais de grande porte de várias maneiras, como servir de alimento para os soldados ou algumas partes dos animais, podem ser vendidas por altos valores como por exemplo os chifres de rinocerontes, usados para custear a ação das milícias.

Os pesquisadores acreditavam que locais com conflitos e que levam os seres humanos a fugir por causa deles, pudessem se tornar locais de preservação da natureza e que esse local pudesse aumentar cada vez mais as suas populações de animais. Um exemplo é a área que existe na fronteira  entre as duas Coreias,  onde o local possui cerca de 250 quilômetros e somente militares podem passar por essa região. Atualmente ela abriga uma área preservada, onde existem diversas espécies raras vivendo em plena tranquilidade.

Apesar dos números, as notícias não trazem somente dados negativos. Foi observado que as guerras estão ligadas às reduções verificadas das populações de animais selvagens, mas que na maior parte dos casos ela não está levando à extinção absoluta dos animais, onde sobrevivem pequenos grupos que vão garantir a continuação da espécie.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *