Quem vai substituir Luiz Carlos Trabuco Cappi na presidência do Bradesco?

Com a renúncia de Lázaro Brandão da presidência do conselho administrativo do Bradesco, o atual presidente executivo Luiz Carlos Trabuco Cappi passa a ocupar dois cargos. Como o estatuto do banco não permite, ele terá de deixar a presidência executiva para dar lugar a um sucessor.

O posicionamento do atual presidente

Para Trabuco a instituição apresenta total condições de optar por um nome dentro do atual corpo de executivos e que o calendário de sucessão termina em março. Na ocasião é realizada a assembleia para eleição do conselho de administração do banco. Ele ressaltou que a sucessão é um processo natural, garantindo que ainda não houve a escolha do substituto.

“A Organização fez um trabalho forte de desenvolvimento de executivos nos últimos anos, com inserção internacional”, disse Luiz Carlos Trabuco Cappi. De acordo com o banqueiro, a instituição é “complexa, grande e segmentada” e isso vai refletir na eleição.

Lázaro Brandão, que renunciou para manter a renovação entre as lideranças do banco, continuará no Bradesco como presidente do conselho de administração das empresas controladas pelo banco. Ele lembrou que o nome do substituto de Luiz Carlos Trabuco Cappi tem de ser submetido ao Banco Central 30 dias antes de ser aprovado em assembleia de administração.

Brandão chegou ao banco em 1942 na época em que ainda se chamava Casa Bancária Almeida & Cia. Foram mais de 75 anos dedicados ao banco, o qual ele passou por vários diferentes níveis organizacionais até chegar à presidência executiva em 1981 e a presidência do conselho administrativo em 1990.

Trabuco iniciou a carreira na instituição em 1969 após se formar em pela UNESP em Filosofia, Ciências e Letras. Passou pelo setor de comunicação, comandou a Seguros, e foi vice-presidente antes de chegar a presidência executiva em 2009.

A frente do segundo maior banco privado do país Luiz Carlos Trabuco Cappi foi responsável por conduzir a aquisição o HSBC em 2015. A filial brasileira foi adquirida por US$ 5,2 bilhões em 2015, no que foi considerada a maior transação do ano no país.

Em seus últimos meses Trabuco tem batido na tecla da inovação dos processos do banco, bem como a “alfabetização” dos clientes para que possam utilizar dos recursos digitais oferecidos. Seu substituto também deve ter uma postura semelhante e procurar aumentar o crescimento orgânico da instituição.

Quem vai substituir Luiz Carlos Trabuco Cappi?

Entre os cotados para assumir o comando da organização estão Mauricio Minas. O vice-presidente de tecnologia do banco foi responsável pela revolução tecnológica dentro da instituição e pela criação do Next, banco digital do Bradesco.

Estão disputa Alexandre Glüher, vice-presidente a frente da área de Relações com Investidores; Josué Pancini, responsável pela rede de agências do banco; Marcelo Noronha, também vice presidente e responsável pela área de cartões e banco de investimentos; Octavio de Lazari, da Seguros, e André Cano, de Recursos Humanos.

Outros executivos têm menos chances por estarem a menos tempo na vice-presidência, como Domingos Abreu, que também está entre os indicados.

Notícias falsas são combatidas com contratação de sites pelo Facebook

Depois das polêmicas com a propagação de notícias falsas o Facebook começou a investir em informação verídica. O anúncio da decisão refletiu na contratação de 10 veículos de notícias, entre eles estão “The Washington Post” e o “The Economist”. Esses sites permitirão um acesso limitado a um número de artigos por mês e posteriormente a opção de assinatura através dos sites de notícias.

Essa novidade foi impulsionada para restaurar a credibilidade do Facebook. A empresa tem interesse em manter o seu alto número de usuários informados com notícias verdadeiras e de qualidade, o que ajuda a renovar a percepção de notícias da rede social, antes prejudicada pela propagação de notícias falsas.

Outra solução que vem sendo buscada é a grande quantidade de informação divulgada nas redes sociais que é visualizada por bilhões de usuários que não se tornam assinantes. A nova medida do Facebook visa a otimizar o impacto que a grande divulgação de notícias possuem, atraindo clientes para os veículos de comunicação.

Ainda que os sites tenham acesso aos dados de seus assinantes por meio da rede social, existe um interesse nos dados de quem lê os artigos de maneira gratuita, nesse ponto existem divergências entre algumas empresas e o Facebook.

Inicialmente serão realizados testes com os seguintes veículos “Boston Globe”, o alemão “Bill” e o francês “Le Parisien”. Serão 10 artigos disponibilizados gratuitamente de acordo com os critérios do site, a partir de então os leitores serão incentivados a fazer uma assinatura para continuarem com o acesso à leitura.

Em comunicado o Facebook disse que não receberá nenhuma parte das assinaturas vendidas. No entanto, diversos sites de evidência optaram por não participar do projeto por serem contrários de que a rede social impeça o acesso aos dados dos leitores enquanto não assinam o site.

A decisão do Facebook em trazer informações e notícias de credibilidade gera uma expectativa positiva para os seus usuários. A melhor maneira de reverter as diversas notícias sem fundamentos propagadas pela rede social é atrair os principais sites a divulgarem o seu conteúdo. Os resultados dessa nova estratégia poderão ser vistos com o passar do tempo.

 

Os segredos guardados por séculos da Cidade Proibida na China, agora podem ser visitados pelo público

Resultado de imagem para Cidade Proibida na China

Na construção do conjunto de edifícios da Cidade Proibida, na China, entre os anos de 1406 e 1420, na Dinastia Ming, foram necessários em torno de 500 mil operários. Todos os materiais usados nas obras, vieram de todas as partes do território chinês, sendo que as vigas feitas de árvores que eram necessárias para a construção, levaram cerca de quatro anos para chegarem até a cidade de Pequim. Foram empregados cerca de cem milhões de tijolos e duzentos milhões de ladrilhos nas construções. Depois de quase quinze anos de muito trabalho, ficou pronto o grande complexo da Cidade Proibida, que acabaria sendo decisiva para os séculos seguintes. Todo o trabalho árduo para construir o palácio que iria abrigar o imperador e a sua família, valeu a pena. Com quase seiscentos anos de história, as belas estátuas, pontes, jardins e construções, estão preservadas e são muito bem cuidadas até hoje, em uma área de 700 mil metros quadrados.

Durante todo esse período até o seu último imperador em 1912, foram 24 imperadores chineses. Todo o complexo da Cidade Proibida conta com quase mil construções, onde residiram eunucos, concubinas e serviçais, que serviram durante todo esse tempo à família imperial. O  muro que cerca e protege toda a cidade  possui 3,4 quilômetros e dez metros de altura, e a segurança de todo o complexo era intensa, justificando o nome da cidade e promovendo a separação entre os nobres e os plebeus.

Localizada no centro de Pequim, a Cidade Proibida atualmente pode ser visitada pelo público. A sua entrada principal está localizada na Praça da Paz Celestial. Alguns prédios do Pátio Interno podem ser visitados, já que nesse local ficavam os palácios oficiais e os templos. O Pátio Externo também está aberto para visitação, que é o local onde são encontrados os aposentos utilizados pela família Imperial. O local onde os imperadores foram coroados também não pode deixar de ser visitado, a Galeria da Suprema Harmonia, sendo que nesse lugar também foram realizadas outras cerimônias, como os casamentos imperiais. Outro ponto importante é o Trono do Imperador, onde ele é protegido por uma escultura de dragão bem grande.

O complexo ainda conta com diversas outras atrações, entre palácios e museus. No interior e ao redor de todas essas construções, podemos observar diversas peças de cerâmicas, esculturas em bronze, pinturas e objetos que pertenceram aos imperadores. A arquitetura e as obras de arte são inesquecíveis, sendo preciso pelo menos um dia inteiro para visitar a Cidade Proibida.

Aumentos nos valores de viagem não acompanham baixas em países como o Brasil

Viajar por mais que pareça prazeroso também exige um esforço. Para quem tem uma conta bancária privilegiada o esforço não é tão grande, mas para a maioria um planejamento financeiro juntamente com as promoções é indispensável para garantir bons preços e diversão.

Para o próximo ano pode ficar mais difícil encontrar aquele preço irresistível que faz uma viagem se tornar ao mesmo tempo acessível e confortável. Em 2018, as ofertas podem não ser tão atrativas quantos os almejados pontos turísticos.

De acordo com o 2018 Global Travel Forecast (Prognóstico Global de Viagem em 2018, numa tradução livre), os valores das passagens aéreas terão uma alta de 3,5% no mundo, não tem como escapar, enquanto isso o preço da hotelaria não vai aliviar, será aproximadamente 3,7% mais caro se hospedar.

Os dados são provenientes de um trabalho colaborativo entre a GBTA Foundation (associação de profissionais do ramo de viagens e eventos de empresas) e a empresa de administração global de viagens Carlson Wagonlit. Essa é a quarta edição da reunião dessas instituições.

A previsão é que aconteça um aumento esperado nos valores para a locomoção em terra por todo o mundo de 0,6%, considerando os meios de transporte público, aluguel de carro e aplicações que oferecem um compartilhamento particular de veículo.

Apesar da expectativa de aumento nos preços de maneira global, os viajantes que curtem lugares para economizar não vão perder a oportunidade de aproveitar os preços que prometem uma queda em certas regiões.

O Brasil é um país que apresentará as menores taxas de aumento assim como alguns países vizinhos. As tarifas aéreas terão 0,3% de aumento e -1,2% para o ramo de hospedagem no país. Os países de América do Norte chegam em segundo lugar na classificação de menor aumento, com 2,3% nas passagens de avião.

O resultado dos preços tem uma influência do Brasil, com uma redução para as passagens e diárias em 1,9% e 8,7%, respectivamente. Argentina, México e Venezuela não ficam de fora do baixo aumento, isso quando não apresentam queda nos preços em ambos os setores. Seria uma boa chance de viajar mais pelo país, ou então não perder as baixas dos voos e hotéis na Argentina e México.

 

Algumas das regiões com as temperaturas mais frias do planeta

Existem lugares no mundo em que o frio pode ser extremo, trazendo muitas dificuldades para a vida humana, além da vida vegetal e animal. Alguns dos lugares onde essas temperaturas podem ficar extremamente baixas, durante vários meses do ano são:

Ulan Bator, Mongólia – Esse país apesar de possuir uma grande extensão, tem somente uma população de três milhões de habitantes e a menor densidade populacional do mundo, já que esse país é quatro vezes maior do que o estado de São Paulo. A cidade de Ulan Bator é a sua capital e apresenta uma das mais baixas temperaturas encontradas no planeta. No inverno as temperaturas ficam por volta dos quinze graus negativos e no verão, as temperaturas não passam dos 22°C.

Monte Mc Kinley, Estados Unidos – Esse é o ponto mais alto da América do Norte e é um dos picos mais gelados do mundo. Ele está localizado em uma região central do Alasca e possui 6.194 metros de altura, sendo que as suas temperaturas ficam em torno de 40 graus negativos, tornando a sua escalada uma das mais difíceis do planeta. Esse monte também é  conhecido como Denali,  e no seu Parque Nacional existem rios, lagos e inesquecíveis paisagens que podem ser visitadas e apreciadas, por aqueles que não querem se aventurar em uma escalada no monte.

Oymyakon, Rússia – Esse povoado está localizado a 350 km do Círculo Polar Ártico, em uma região distante da Sibéria. Seus termômetros já chegaram a marcar -71,2°C em 1926, sendo essa a temperatura mais baixa que ocorreu no Hemisfério Norte. Para chegar nessa região é preciso enfrentar diversas dificuldades, como temperaturas médias de 50 graus negativos, que além de congelarem a gasolina dos veículos, fazem com que a região seja deserta. A distância e as estradas em péssimas condições, somente atraem as pessoas mais corajosas.

Estacion Vostok, Antártica – Localizada próxima do Pólo Sul e a cerca de 3.500 metros de altitude, essa estação russa para pesquisas, conta com temperaturas extremamente frias, ficando em média com 56 graus negativos. Mas a temperatura mais baixa registrada nesse local, ocorreu em 1983, quando os termômetros marcaram -89,2°C. Próximo dessa estação está o lago Vostok, que é um dos maiores do mundo e que fica coberto por quilômetros de gelo.

Snag, Canadá – Essa pequena vila fica no oeste do Canadá, e marcou uma das menores temperaturas da América do Norte em 1947, quando os termômetros registraram -63°C. Apenas poucas dezenas de pessoas vivem nessa vila e precisam enfrentar um clima extremamente rigoroso.

Pesquisadores descobrem um método de diferenciar as diversas etnias da África

Apesar da grande maioria das pessoas simplificarem a África como um continente predominantemente de negros, existe uma grande diversidade de tons de pele nos mais de 50 países africanos. Muitos grupos de cientistas se empenham para conseguir criar formas eficientes para efetuar a identificação das diversas raízes étnicas que existem nesse continente, tal informação pode colaborar para descobrir a origem da humanidade.

Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia conseguiram desenvolver um método para diferenciar o DNA das diversas “paletas” de pele que compõe o berço da humanidade, além do valor antropológico eles afirmam que esse trabalho pode contribuir na identificação de riscos genéticos específicos de cada tipo dermatológico.

A pesquisa foi publicada na revista Science que explica a razão de alguns habitantes africanos terem uma tonalidade de pele tão “brancos” como asiáticos, ao mesmo tempo em que muitos outros são dotados de uma cor muito escura. Segundo Sarah Tishkoff, principal autora desse trabalho, as mudanças genéticas provêm antes da antiguidade, ela disse que o Homo sapiens contemporâneo evoluiu há 3 centenas de milhares de anos.

Essa equipe de pesquisadores fez uma separação em categorias, levando em consideração a variação de pigmentações africana. Sarah através de um método que utiliza um medidor de cor que trabalha com a reflexão luminosa da pele analisaram mais de 2 mil africanos oriundos de diversas raízes étnicas. Os grupos originários da região do Nilo, localizado no leste do continente, possuem cor de pele mais escura, enquanto os pertencentes ao sul da África possui pigmentação de pele mais clara.

Após esse primeiro método, os pesquisadores trabalharam em amostras de DNA de mais de 1,5 mil voluntários, e assim conseguiram cerca de 4 milhões de polimorfismos de nucleotídeos únicos. Com essas informações eles foram capazes de relacionar as mutações com as diversas colorações de pele. Sarah Tishkoff ressaltou que uma variação dessas mutações se relaciona com a pele clara dos europeus e sul-asiáticos, que ela acredita que surgiram há mais de 30 mil anos.

“… é possível que existisse uma única fonte africana que continhas variantes genéticas associadas com a pele clara e escura…”, disse a pesquisadora.

 

Twitter acrescenta caracteres no limite das postagens

O típico padrão de envio de mensagens do Twitter de somente 140 caracteres começar ser mudado. A rede social que chamou a atenção de muitos usuários ao redor do mundo pretende superar o número de seguidores que possui.

A nova quantidade de caracteres será de até 280 conforme texto que a empresa postou em seu blog. O plano será iniciar os testes com tweets que tem conteúdo “para a emoção e os pensamentos dos usuários”. O limite de caracteres que será expandido trará mais liberdade para os usuários se sentirem mais confortáveis no momento de tuitar.

Ainda não são todos que poderão usar o novo limite de 280 caracteres, somente alguns perfis especiais iniciarão com essa novidade da rede social, entre eles está o presidente-executivo da companhia, Jack Dorsey. O presidente fez uma postagem utilizando todos os 280 caracteres permitidos e em sua postagem demonstrou estar orgulhoso dessa nova modificação:

“Essa é uma pequena mudança, mas é uma grande novidade para nós. Os 140 caracteres foram uma escolha arbitrária baseado nos 160 caracteres que limitam qualquer mensagem de texto. Estou orgulhoso sobre como nosso time tentou resolver um problema real que as pessoas têm ao tuitar, ao mesmo tempo que mantiveram nossa brevidade, velocidade e essência”.

O número de 328 milhões de contas ativas por mês não causa satisfação para a empresa que planeja crescer ainda mais com novos usuários. Após 11 anos desde a sua criação existe uma paralisação no número de novas contas. Durante os últimos dois anos, a empresa obteve mais de 24 milhões de usuários novos, se comparado com as rivais esse número não é tão relevante, pois somente o Instagram atingiu um total de 800 milhões de perfis.

A alteração para o aumento de palavras pode ser vista como uma atitude inesperada, mas ao mesmo tempo que busca resultados expressivos. Durante os dois anos que se passaram depois da volta do cofundador Jack Dorsey ao cargo de presidente executivo em 2015, não foram mais contados os caracteres de links e imagens dentro dos tuítes, assim como o nome dos usuários para oferecer mais espaço nas postagens pelo twitter.

 

A operação em baixa do cobre, no fim de setembro, dada a fraqueza do minério de ferro

Image result for falta de cobre mercado de minérios

Às vezes, tratando-se de mercado, a queda no preço de um produto acaba por repercutir nos preços de outros produtos correlacionados. Esse parece ter sido o caso recente da operação dos futuros de cobre, em baixa tanto em Londres quanto em Nova York, dada a forte queda ocorrida com os preços do minério de ferro. Em suma, uma queda que acabou por prejudicar a demanda por metais básicos, de forma geral.

Para se ter uma ideia de como andavam, nas últimas semanas do mês de setembro deste ano, 2017, deve ser salientado, quanto ao principal contrato de minério de ferro, que, vale lembrar, é negociado na bolsa de commodities de Dalian (China), o acúmulo de perdas que teve, chegando-se a até mais de 20%, como foi noticiado. Isso, é importante ressaltar, referindo-se ao pico que o mesmo atingiu ainda durante o mês agosto deste ano. Assim, pode-se, inclusive, definir a partir daí uma entrada no chamado “território baixista”.

Mais detalhadamente, podemos destacar a ocorrência da queda do cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME). Essa referida queda deu-se exatamente no dia 25 de setembro, por volta das 7h15, no horário de Brasília. E assim, caindo em proporção de 0,29%, chegou-se ao preço de US$ 6.458,00 por tonelada, naquela ocasião.

Continuando com a precisão temporal, às 7h45 do mesmo dia, segundo novamente o horário de Brasília, ocorria um recuo na Comex, que é a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova York (Nymex), de 0,22% quanto ao cobre para entrega em dezembro. Assim então chegou-se, na ocasião, aos US$ 2,9380 por libra-peso. Enquanto que, tratando-se do índice DXY do dólar, houve um ganho de força nos negócios da manhã, e isso levou a um inevitável desencorajamento por parte dos investidores, ao menos entre os que utilizam outras moedas a comprar futuros tanto de cobre quanto de outros metais.

E quando falamos em “outros metais”, na LME, devemos pontuar que houve uma espécie de generalização das perdas, segundo Dow Jones Newswires, já que a queda do alumínio, por exemplo, foi de 0,95%, no exato horário já indicado no caso anterior, chegando-se a US$ 2.193,00 por tonelada. Por sua vez, o estanho cedia 0,12%, assim ficando em US$ 20.570,00 por tonelada; e o níquel, com perda de 1,27%, por outro lado, em US$ 10.500,00 por tonelada. A queda do chumbo foi menor, ao menos, com seus 0,10%, ficando em US$ 2.486,00 por tonelada; cabendo assim, como única exceção, em nível de mercado inglês, lembrar o caso do zinco, com sua subida de 0,77%, chegando a US$ 3.084,50 por tonelada.

Base de dados startups será uma vitrine nacional

Uma estrutura online e aberta em um banco de dados foi lançada em setembro pela Associação Brasileira de Startups (ABStartups), o objetivo é reunir dados de diversas startups com o objetivo de ser uma vitrine digital no país. A plataforma por enquanto se encontra em fase de testes e apenas está disponível para cadastramento de parceiros e associados.

No final de outubro a ABStartups irá liberar a plataforma para cadastro de qualquer empresa, isso acontecerá durante o CASE, um evento de startups que será organizado pela entidade. Inicialmente as informações que irão compor a base de dados da plataforma será a existente, com mais de 4,2 mil startups registradas. Haverá também a inclusão de dados de startups que trabalham com as empresas parceiras do projeto, como Cubo, Itaú e Plug, também estão dentro do projeto as aceleradoras Startup Farm, Ace e InovAtiva. Estima-se que mais de 7 mil empresas inovadoras estejam cadastradas na base de dados até o fim de 2018, segundo afirma Amure Pinho, presidente da ABStartups.

Os dados inseridos serão informações básicas como nome, área de atuação, modelo de negócio, investimento recebido e faturamento anual, por exemplo. As empresas poderão criar um perfil no sistema, a intenção é ter a mesma dinâmica do LinkedIn, mas voltado para as startups. Em cada perfil será possível seguir e acessar as informações cadastradas e qualquer pessoa poderá visualizar as informações no site.

Os detalhes de cada startup serão submetidos na medida que as informações vão sendo preenchidas. O número de vagas em aberto, apresentações (pitch deck) e o nome dos investidores serão informações que trarão mais clareza ao perfil cadastrado. Se alguma empresa deixar de atualizar sua página durante seis meses, a visibilidade do perfil não será mais público.

O plano é que o StartupBase possa fazer uma análise baseada no início das empresas, no progresso, na aceleração e na captação de recursos. Essas informações contribuirão para um maior mapeamento e auxiliará na resposta de questões empresariais relacionadas a uma startup, e o interesse em estar cadastrada se daria pelo fato de ter uma visibilidade no mercado em uma base de dados que pretende se tornar referência de alcance nacional

Detran de Sergipe estima implantar CNH digital em fevereiro de 2018

Resultado de imagem para cnh digital

O Detran/Sergipe anunciou recentemente que a CNH-e – Carteira Nacional de Habilitação Eletrônica, estará disponível para todos os moradores do estado a partir do dia 1º de fevereiro do ano que vem. O órgão informou que a data foi estabelecida pelo Contran – Conselho Nacional de Trânsito.

Antes do novo tipo de CNH poder ser usado pelos motoristas, o Detran informou que um teste do serviço está sendo realizado em outro estado brasileiro para que dados sejam coletados em relação ao dispositivo. Além disso, o Detran disse que as orientações relacionadas a disponibilização deste serviço bem como o valor atribuído a ele só serão formuladas a partir do fim deste teste.

Em Sergipe, a CNH impressa e a CNH digital terão o mesmo valor jurídico garantido pelas leis de trânsito nacional e do estado, segundo informações cedidas pelo Ministério as Cidades. Portanto, o serviço poderá ser usado pelos motoristas de Sergipe como um facilitador, mas não como obrigação.

A versão digital da CNH poderá ser acessada pelo motorista a partir de um aplicativo instalado em seu smartphone. O novo modelo emitido da CNH terá a tecnologia do QRCode para garantir a autenticidade do documento. A CNH digital já começou a ser emitida desde o mês de maio deste ano.

Depois que o motorista realiza o download do aplicativo, ele precisa apenas escolher entre adquirir o certificado digital do documento, que pode ser realizado pela internet, ou ainda realizar o cadastro em uma base de dados do Detran. Outro fator fundamental para o motorista que quiser ter a versão digital do documento é se cadastrar no Denatran – Departamento Nacional de Trânsito.

Após realizar todos os cadastros necessários, os motoristas só terão que logar no aplicativo de celular e usar sua CNH-e totalmente digital e fácil de ter em mãos. A facilidade será tanta que o usuário nem ao menos precisará de internet para ter acesso ao documento, pois se tivesse que acessar a internet haveria a possibilidade de o usuário ficar sem internet e consequentemente sem o documento. Neste caso, o usuário só precisa acessar o aplicativo com uma senha cadastrada por ele mesmo de quatro dígitos.